O Google Chrome agora também pode ser utilizado na interface Metro do Windows 8. Mas não se empolgue: o visual do navegador ainda não adota o estilo minimalista da Microsoft, não está adaptado para telas sensíveis ao toque e parece só um Chrome normal funcionando em tela inteira. Pelo menos é possível acessar sites em Flash e utilizar suas extensões favoritas.

O novo visual está disponível a partir da versão 21.0.1171.0 do canal de desenvolvedores, que pode ser baixada neste link. Após instalar o novo Chrome e configurá-lo como navegador padrão do sistema, um ícone novo aparecerá na tela Iniciar. Vale lembrar que estamos falando de uma versão de testes, logo, problemas devem acontecer – e realmente aconteceram, como você verá nos próximos parágrafos.

Chrome, agora na interface Metro do Windows 8.

A primeira decepção após executá-lo é ver que os dados não estão integrados entre interfaces – seus favoritos, histórico e extensões não aparecerão na interface imersiva. É como se fossem duas instalações diferentes. Felizmente, ter seus dados de volta é muito fácil, já que o Chrome com interface Metro possui praticamente todas as funcionalidades da versão clássica, inclusive a sincronização de dados.

Por enquanto, só uma gambiarra.

Ter os mesmos recursos da versão clássica é bom, mas traz problemas de adaptação. Nessa primeira versão pública, os desenvolvedores ainda não tiveram tempo suficiente para estudar as guidelines de design da Metro UI. O clique com o botão direito (ou a combinação WinKey+Z), que normalmente abre um menu inferior nos aplicativos Metro, não tem outra função no Chrome a não ser exibir a página em tela cheia. O atalho Shift+Esc, que abre o gerenciador de tarefas do Chrome, mostra uma… janela. E com as bordas clássicas do Windows.

Eita, uma janela!

Diferentemente do Internet Explorer, onde apenas sites presentes numa “lista branca” da Microsoft podem exibir conteúdo em Flash, no Chrome qualquer site tem essa permissão. Isso significa que vídeos e anúncios em Flash continuarão sendo visualizados normalmente, sem dores de cabeça. Java, Silverlight e outros plugins, no entanto, não estão disponíveis.

A maioria das extensões do Chrome deve funcionar normalmente na interface Metro, mas algumas precisarão passar por atualizações. O YSlow, extensão do Yahoo que mede a performance de sites e sugere alterações no código-fonte, abre em tela cheia e, como não há botões de Minimizar ou Fechar na Metro UI, a única solução para sair da tela é encerrar o Chrome e executá-lo novamente. Um grande inconveniente.

Para sair dessa tela, só fechando o Chrome inteiro.

Com tanta gambiarra, dá para entender por que o Chrome com interface Metro não funcionará no Windows RT, que rodará sobre processadores ARM – o navegador ainda está muito amarrado ao conceito de desktop clássico. Os problemas mais graves, inclusive a falta de integração com os novos recursos do Windows 8, devem ser resolvidos nos próximos meses, quando a nova interface chegará aos usuários finais. Pelo menos é o que esperamos.