Início » Arquivos » Brasil » Amazon pretende vender roupas, livros e mais no Brasil

Amazon pretende vender roupas, livros e mais no Brasil

Blogueiro da Veja diz que gigante do varejo venderá de "tudo".

Avatar Por

Lauro Jardim, blogueiro da Veja, começou a segunda-feira noticiando o descontentamento da Amazon com a demora para adentrar no mercado brasileiro. De acordo com ele, a empresa está decidida a vender também roupas e livros físicos, entre outros itens. “Tudo o que a Amazon americana vende”, diz o blogueiro.

Não é de hoje que temos notícias sobre o início das operações da Amazon em território nacional. O próprio jornalista da Veja disse em outros momentos que a companhia se prepara para chegar por aqui, porém com livros digitais (e-books, como preferir) e com leitores de e-books (e-readers, como preferir). Claro que a Amazon tem particular interesse nos e-readers porque ela própria desenhou o Kindle. Reza a lenda que escrevo sobre o leitor de livros digitais mais vendido no mundo.

Aí está uma boa pedida de presente para o Dia dos Namorados

E o que seria “tudo o que a Amazon americana vende”? Basicamente, qualquer produto que atualmente encontramos em sites como Submarino ou Ponto Frio. De geladeira a cama; de videogame a lingerie. Resta saber se a suposta operação nacional da Amazon também comportará a venda de produtos de terceiros. Vendedores independentes podem se afiliar à Amazon dos Estados Unidos e também ofertar itens no catálogo da empresa. Para esses casos, como de praxe, o gigante do varejo abocanha uma parcela do valor da transação.

O jornal especializado em finanças Brasil Econômico informou em março deste ano que o projeto inicial da Amazon incluía a venda de itens menores, como CDs e DVDs, até setembro.

Consumidores interessados em comprar na Amazon vêm encontrando problemas relacionados à taxação dos produtos antes do envio. Como sabemos, não é todo tipo de produto que a Amazon americana se dispõe a transportar para o Brasil. Não obstante, decidiram recentemente cobrar sobretaxa de alguns compradores para a eventual necessidade de pagar custos mais elevados de importação.

A mamata de comprar no exterior e receber aqui acabou, de acordo com uma fonte do Tecnoblog que trabalha num dos órgãos envolvidos no imbróglio. Considere esse cenário e você perceberá que o desespero da Amazon de entrar num mercado em franco crescimento e pouco abalado pelas crises tem suas justificativas.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Marco Pacheco
O problema não é a aposentadoria integral. A Previdência teria como manter isso normalmente. Basta ver que o saldo nas cidades é positivo, se somar o que já foi roubado, a previdência estaria excelente.
Max
Na verdade, o que eu gostaria de saber é se essa Amazon brasileira também vai disponibilizar para venda, as lindíssimas edições bem acabadas de Blu-rays e DVDs (coleções e edições especiais) que são vendidas nas Amazon's européias e na Amazon americana.
Guilherme Macedo C.
Tbm acho o modelo de aposentadoria integral fora da realidade brasileira, mas isso já acabou. De qualquer modo o problema nunca foi aposentadoria. Dados da previdência comprovam que o saldo é positivo nas cidades e o rombo só aparece na zona rural, por causa das aposentadorias especiais. Bom, mas isso não impede contratação. Redução de custos não pode vir de algo essencial, senão vamos ver esses problemas não só da Receita, mas em hospitais, escolas, etc.
Daniel Serodio
Guilherme, como substituir os funcionários aposentados se estes têm aposentadoria integral? Assim não há conta que feche... Pra manter o valor da folha de pagamento só dá pra substituir os que já morreram.
Hebert aka HBT
O problema do Brasil são os preços absurdos.
@lucasreves
É um mercado complicado. Pelo ou menos pra mim. Nunca acho o que eu quero haha... E mandar confeccionar demora demais.
RenatoJG
Enquanto algumas instituições públicas precisam de funcionários, outras tem "aspones" de sobra...
Marcio Neves Machado
Acabou a "mamata" de comprar e ter a sorte de não ser escolhido para amostragem na alfândega, comprando artigos com preço bem mais em conta que aqui. O que antes era uma possibilidade (a tributação) com a nova política da Amazon passou a ser um fato: para evitar que produtos mandados para cá fiquem retidos por tempo indeterminado na alfângeda, gerando reclamação de clientes e uma alta taxa de refunds/replacements, ela agora cobra antecipadamente o imposto e manda entregar via courier, ao invés do correio internacional comum.
Marcio Neves Machado
TUDO que a loja americana vende? MESMO? Até mesmo itens que eles não exportam para cá, como jogos e acessórios de videogame? :D
Guilherme Macedo C.
Trabalhar eles tem que trabalhar. Eles são pagos pra isso :P O problema está na quantidade de funcionários. Aliás, esse é um grande problema no Brasil. OCDE já divulgou que o Brasil tem um número proporcionalmente baixo de funcionários em instituições públicas. Um dos mais baixos do mundo. O pessoal vai se aposentando e eles não contratam.
Mario
No brasil tem muitas empresas boas de e-commerce, claro q tem outras não tão boas q tem de melhorar muito, mas acho injusto falar q não existe e-commerce q preste no Brasil.
Mario
Acho injusto falar q o Brasil não tem um e-commerce q preste, existem algumas empresas q prestam ótimo serviço, é injusto com elas.
Guilherme Macedo C.
Minha obsessão é para que ninugém seja explorado. Querer ser explorado é uma insanidade. Dizer amém pelos altos lucros é mais insano ainda. E isso nada tem a ver com a carga tributária. Estamos falando em lucro, não de preço em si. Lucro é lucro. Aqui o lucro é alto justamente pq existe uma horda de pessoas que gostam de preços altos e defendem isso a todo custo, como se isso fosse normal. Precisamos de uma reforma tributária, mas precisamos ver que estamos sendo explorados. Quer um exemplo mais recente que chocou muitas nações? O Rio+20. O aumento dos preços dos hotéis foi absurdo e até o Parlamento Europeu levantou o boicote ao Rio+20: http://oglobo.globo.com/rio20/rio20-hoteis-3-estrelas-cobram-diarias-de-estabelecimentos-de-luxo-4909966
Paulo
O problema dessa operação, é que mesmo itens que não são taxados, acumulam na entrada do pais. Com a demora pra fiscalização, atrasa as entregas Hoje em dia, ta complicado comprar coisas lá fora. Primeiro o governo aumentando IOF de compras no exterior. Agora a Receita querendo fazer essa operação. Mas na hora de dar incentivos e redução de imposto, para baratear as coisas por aqui, não fazem nada.
Kessler
Eu que não entendo essa sua obsessão em querer que as coisas custem o que você quer pagar. Seria bom, mas nunca vai acontecer. E por quê você acha que no Brasil eles lucram mais que em outros países? Acha que os empresários são bonzinhos nos EUA e malvados no Brasil? Isso não existe. Lá há uma concorrência muito maior, impostos menores, principalmente os de importação; um mercado muito mais desenvolvido que o nosso.
Exibir mais comentários