Pouco mais de um mês depois do lançamento do Google Drive, posso dizer que me rendi à nuvem do Google. Cá na redação meu computador fica o tempo inteiro sincronizado com os servidores da empresa, então os arquivos secretos do Tecnoblog a essa altura já foram decorados de cabo a rabo pelos enxeridos da companhia americana. O próximo passo é deixar o Google Drive com suporte offline — recurso confirmado para daqui a cinco semanas.

Sundar Pichai, o SVP de Chrome e Aplicativos, esteve no palco da conferência D:10 para responder questões de jornalistas liderados por Walt Mossberg, diretor do site All Things Digital. O executivo do Google disse à plateia presente que esse era o prazo para o lançamento do Google Drive offline. Pena que Pichai não deu muitos detalhes a mais sobre o assunto.

Desde que foi lançado o Google Drive oferece o acesso a arquivos offline. Porém, isso se deve a um plugin instalável no Chrome que existia anteriormente no Google Docs. A dúvida que fica: o Google permitirá, por exemplo, abrir um documento nativamente criado no Docs por algum aplicativo de terceiros para, em seguida, sincronizar com a nuvem quando ela estiver disponível novamente por meio da conexão com a internet?

Pasta sincroniza com a nuvem do Google

Imagino que a vantagem de um Google Drive offline seja mais para quem possui um Chromebook ou Chromebox, como os que a Samsung apresentou nessa semana por preços a partir de US$ 329 pelo modelo mais simples. Esses PCs dependem de conexão com a internet para muitas coisas porque foram desenhados com essa realidade de Wi-Fi espalhado por todos os cantos. Porém, nem todo mercado se assemelha ao que já é realidade nos Estados Unidos e em alguns países da Europa.

No fim do mês tem Google I/O, principal conferência do Google para apresentação de novos produtos e serviços. Considerando que Pichai deve falar a verdade quando comenta o Drive offline, pode esperar para ver o recurso em funcionamento a partir de 27 de junho.