Quando você acha que viu de tudo em termos de processos judiciais esdrúxulos, um norte-americano aparece no noticiário para nos fazer novamente perder a fé na humanidade. O webmaster David Elliott processa o Google na justiça do Arizona alegando que “Google” deixou de ser um nome comercial para se tornar um verbo sinônimo de pesquisar termos na internet — não importa em qual buscador, diga-se passagem.

Elliott entrou na batalha com o Google depois que a empresa de buscas também o processou na justiça americana, reclamando que ele usava a marca registrada em diversos (mais de setecentos) domínios por ele registrados, como googlegaycruises.com ou googledonaldtrump.com. Obviamente que o gigante da internet venceu o sujeito nos tribunais.

googlegaycruise ponto com

De acordo com o documento que inicia o processo (foi publicado no Scribd), a palavra “Google” atualmente designa o verbo transitivo para buscas na rede. Como o inglês é um idioma mais flexível em termos de gramática, praticamente qualquer nome pode virar verbo. Os americanos já usam “google” para pesquisas no próprio Google. Amparado por uma determinação da Sociedade Americana de Dialetos, Elliott pede que “google” seja reconhecido como verbo e, por isso, perca o caráter de marca registrada.

O site Paid Content obteve acesso aos documentos do processo. Lá fica registrado que David Elliott trabalha no desenvolvimento de sites que promovem “o comércio, a comunidade, relacionamento, saúde pessoal, caridade e mais”. O que isso quer dizer? Basicamente, o que qualquer outro domínio registrado na internet normalmente prevê. Elliott e seus advogados apelam para o ICANN, a autoridade máxima em registros de domínio, cujo regulamento endossa este tipo de atividade para os domínios registrados no mundo.

“Google” é uma marca registrada do Google desde 1997. Ao longo dos anos vem recebendo constantes certificados que renovam o uso comercial do termo. A empresa ganha fácil o processo se conseguir provar ao juiz que nos dias de hoje “Google” continua sendo uma palavra reconhecida como propriedade do buscador de mesmo nome pelos consumidores.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Leandro C. S.
Isso deveria ser crime, assim como o spam.
@kadugaspar
Não acredito que googlar seja "pesquisar na internet", está mais para "pesquisar no Google" mesmo. Quando alguém faz uma busca no Facebook ou no Bing, é óbvio que ela não está googlando.
@mauricio_jornal
Ridículo!
YanGM
Pretérito Perfeito eu sei, mas Pretérito Mais Que Perfeito... trava o pentium 4 inside da minha cabeça.
@andreandrade
Vamos Facebookar as coisas... Vamos Tweetar... Vamos Linkedinizar... Vamos GOOGLAR MEU FILHO!!!
João Almeida
Como existe gente tola no mundo. Sabendo que isso deve ter sido inventado depois do Google vai TENTAR querer vencê-la? Avá! Agora estão inventado estes processos contra à Google só por que ela está crescendo como m]nunca e estão doidos para ganhar dinheiro. Faz favor, né?
Alan
Esse sujeito comeu fezes.
@LBKatan
The IT Crowd? huahuahuahua
Gabriel
Google não existe (ou ao menos, não existia) nos dicionários americanos. A marca Google se tornou um "verbo" justamente por causa do site que se tornou a maior ferramenta de buscas da internet. Google it!
Patrik
Pessoal, da um desconto que o Lucas Lemos é criança, tem 13 anos. Ele vai entender que pedir joinha é feio.
Caio Alexandre
Por favor, http://i.imgur.com/QdpO8.gif
Diego
[off] Daqui a pouco chegam os 'first', 'pnc do first' e por aí vai. [/off]
Thiago
The new Bing is coming.
Victor Hugo
Hahaha minha professora disse que já ouviu no Canadá pessoas falando assim: Vou dar uma googada ali e ja venho. hahahahaha
Bruno Rocha
Igual quando você vai comprar uma fica adesiva, mas você sempre pede "Durex", mesmo o cara te dando qualquer marca, afinal, qualquer fita adesiva=durex, sem falar na Durex camisinha.
Exibir mais comentários