Com suas 191,8 milhões de linhas telefônicas, incluindo fixas e móveis, o Brasil se estabelece como o país com o maior número de linhas telefônicas em toda a América Latina, sendo que na América como um todo nosso país fica atrás apenas dos Estados Unidos.

De acordo com o levantamento da consultoria de tecnologia Everis, no qual dados de 49 países (referentes ao ano de 2008) foram analisados, o Brasil, que encerrou 2008 com 41,1 milhões de linhas fixas, é o 6º no ranking mundial nessa categoria. Em linhas móveis, fica em 5º lugar no ranking global, com 150,6 milhões de linhas (quase 4 vezes o número de linhas fixas). Na classificação unificada (fixas e celulares) o país fica em 5º lugar mundial.

O país com mais linhas telefônicas no mundo, segundo o mesmo estudo é (surpresa!) a China, com quase 1 bilhão de linhas (999,6 milhões, para ser mais exato). No segundo lugar ficam os EUA, com 421,8 milhões de linhas. O ranking segue com a Índia em terceiro (384,8 milhões) e a Rússia em quarto (232,1 milhões). Na outra ponta do ranking estão nossos vizinhos sul-americanos. Os três países com menos linhas telefônicas são Uruguai (4,5 milhões), Bolívia (5,5 milhões) e Paraguai (6,2 milhões).

E para quem acha que o celular é muito caro no Brasil, a pesquisa revela que estamos na mesma média que 60% dos países pesquisados: 25% mais caro que a telefonia fixa. Caro mesmo é no Equador, com os celulares sendo 700% mais caros que os telefones fixos. A Venezuela também tem ligações de celular bem caras, 253% a mais em relação a telefonia fixa. Nossos hermanos também não escapam: na Argentina uma ligação de celular sai 160% mais cara que uma de telefone fixo. Indo na contra-mão desses países, Bolívia, Chile, Peru, México e Paraguai têm custos de celulares menores que os de telefones fixos. São 74% a menos na Bolívia, 50% a menos no Chile e no Peru, 33% a menos no México e 21% no Paraguai. [Exame]

Comentários

Envie uma pergunta